As últimas do género: a lei malandra

Este remate da legislatura, precipitado pela dissolução da Assembleia da República, revelou altíssimo interesse pela legislação em ideologia do género. Para este Parlamento, é alta prioridade nacional à frente de outras que foram preteridas no tempo de atenção política e de debate legislativo e decisão. Pobreza? Não interessa. Seca? Não conhecemos. Injustiças salariais na função pública? Não queremos saber. Abandono do interior? Não estamos a ver.

Só nestes dois meses, com a Assembleia já politicamente dissolvida, os deputados apressaram-se a aprovar três novas leis nas matérias de ideologia do género e orientação sexual. Já tratei de uma, na área da educação, em artigos anteriores: Esta lei é uma selvajariaA lei das casas de banho não prestaO legado do PS contra a escola e a família. No final de tudo, foram aprovadas mais duas leis: uma, no âmbito do Registo Civil, sobre o regime do nome pessoal (saiu da Assembleia como o Decreto da Assembleia da República n.º 132/XV); outra, nas “terapias de conversão” e sua criminalização (o Decreto da Assembleia da República n.º 133/XV). Abordo, hoje, a primeira. Deixo a segunda, mais grave, para outro artigo.

O que faz a nova lei no Registo Civil? O artigo 1.º diz que (a) “consagra o direito à opção por um nome neutro” e (b) “elimina a exigência de consentimento de terceiros para a realização de averbamentos aos assentos de nascimento e de casamento”. Esta é, sem pudor, a assinatura de uma lei sonsa, porque não é bem isto que faz. E é também tecnicamente deplorável.

A lei é uma lei de alteração do Código do Registo Civil, isto é, introduz modificações neste outro diploma e só lendo tudo, no quadro do Código alterado, podemos perceber o que foi feito. Ora, o que vemos? Vemos que, apesar de a lei de alteração dizer que introduz a “opção por um nome neutro”, em nenhum sítio do Código consta exactamente esta alteração: não há qualquer previsão do tal “nome neutro”, nem definição do regime preciso do seu cabimento. Os interessados e os que lidam profissionalmente com estas matérias não saberão de nada pela leitura do Código; terão de recorrer à lei de alteração para conhecer o que se pretendia – algo que, na prática corrente, ninguém faz e que, por isso, é tecnicamente medíocre.

Referindo-se ao nome a registar, a nova lei limita-se a apagar do texto do Código (artigo 103.º) a expressão “não devendo suscitar dúvidas sobre o sexo do registando” e nada acrescenta sobre o afamado “nome neutro”. Mas, ao agir desta forma, a lei acaba por fazer muito mais do que disse querer fazer. Não só pode ser atribuído um “nome neutro” (se o oficial do registo consultar o artigo 1.º da lei XPTO e fizer essa interpretação), como passa também a poder registar-se um nome feminino em pessoa do sexo masculino e um nome masculino em pessoa do sexo feminino. Tudo isto sem qualquer processo de mudança de género ou de sexo. É ir ao registo e já está. É uma “lei malandra”.

Pior! A lei, tal como é alterada, permite que, logo à nascença, quem regista uma criança lhe atribua o nome que entender, sem qualquer padrão: “Xis”, seja menino ou menina, ou com problemas de definição sexual; e também “Mário” a uma menina ou “Sofia” a um menino. Além da barafunda administrativa e social que estas normas vão gerar, constituem um atentado aviltante aos direitos fundamentais da criança, à sua personalidade e identidade pessoal, ao ver-se atribuída, à força, um nome de género não correspondente ao seu sexo natural, bem definido, anormalidade que terá de carregar por toda a infância e juventude, senão para a vida.

Qualquer pessoa de senso mediano é capaz de entender que uma barbaridade destas atenta, em altíssimo grau, contra o superior interesse da criança, que é o critério supremo de ponderação nestas matérias, antes de se decidir. Não acredito que possa haver, em legisladores, incompetência tão grande para isto acontecer. Por isso, é minha convicção que isto foi assim escrito de propósito. Só surpreende não ter sido já vigorosamente denunciado. Por esta lei, obcecada pela ideologia de género, a criança, na generalidade, é completamente deixada para trás. em matéria dos seus direitos humanos.

Este regime, construído a martelo, cria outras incongruências no regime dos registos. Por exemplo, lendo o artigo 104.º, verificamos que a única causa de alteração do nome que poderia caber num caso destes seria: “A alteração do nome próprio resultante da mudança da menção do sexo.” Ou seja, imaginemos que um rapaz, a quem, à nascença, puseram o nome de “Sofia”, pretendia mudar para um nome masculino. Seguindo a filosofia resultante desta lei, só poderia nome masculino se mudasse de sexo para mulher. Nunca mais acertaria o passo.

Outra parte da lei aplica-se a casos de “mudança de sexo e a consequente mudança de nome próprio”. O texto é habilidoso. É construído para maltratar e desconsiderar titulares principais de direitos de personalidade. Como referi, a lei anuncia eliminar a “exigência de consentimento de terceiros” para averbamentos a “assentos de nascimento e de casamento”. Quem serão esses “terceiros” abelhudos que tinham de dar consentimento?

Não encontramos nenhum terceiro. Só encontramos nada mais, nada menos do que os próprios titulares dos assentos de nascimento e de casamento, a que se quer fazer um averbamento da mudança de sexo e de nome de outra pessoa. Trata-se, por exemplo, de um pai que quer averbar na certidão de nascimento dos filhos que passou a ser “mulher” e a ter outro nome; e que quer averbar os mesmos factos na certidão de casamento comum com a, provavelmente, ex-mulher.

A lei de 2011, que introduziu o regime aplicável aos casos de mudança de sexo, fixou a necessidade de consentimento dos titulares dos assentos, o que bem se justifica. Se estão de acordo, não há problema com o averbamento. Se não estão de acordo, só não há problema, se for respeitada a vontade do titular que não quer. Nem se percebe, diga-se de passagem, qualquer utilidade relevante para quem mudou de sexo e nome teimar em agir à força contra a sensibilidade e a vontade do filho ou do ex-cônjuge. Só pode ser uma pirraça ideológica, ou proteção de uma qualquer hostilidade pessoal. Não conheci quaisquer queixas relevantes na prática do regime de 2011. E a mudança do sexo e do nome de alguém releva para o presente e para o futuro, não releva para o passado. É uma insustentável mudança de regime jurídico.

Aqui, aliás, a lei faz outra malandrice. Parece coisa insignificante, mas tem um alcance que não foi anunciado e é escondido. Opera pela simples mudança de local da palavra “maiores” na frase da lei. Para fazer averbamentos da mudança de sexo e do nome do pai ou da mãe no assento de nascimento do filho, a lei, hoje, diz: aos “assentos de nascimento dos filhos maiores da pessoa que mudou de sexo, a requerimento daqueles”. A nova lei fixa: aos “assentos de nascimento dos filhos da pessoa que mudou de sexo, a requerimento daqueles, quando maiores, ou do próprio”.

No regime em vigor, o averbamento só pode ser feito, quando o filho seja já maior – tem de concordar e é ele próprio que requer o averbamento ao seu registo de nascimento. No regime da nova lei, o averbamento passa a poder ser feito, enquanto os filhos são menores. É de novo uma “lei malandra”. E, maiores ou menores, não são tidos, nem achados; e o outro progenitor também não.

Aquele que mudou de sexo (ou, melhor dito, de menção de sexo) e de nome passa a ter livre-trânsito, dado por esta lei, para abusar do poder paternal e entrar pelo registo a impor um averbamento ao assento de nascimento do filho, sem curar da sua sensibilidade e vontade. Pura prepotência. A nova lei tem, aliás, um deslize de linguagem ao usar a expressão “ou do próprio”. O verdadeiro “próprio” é o titular do assento, o filho; não é o “próprio” da mudança de sexo. O uso da palavra “próprio” confirma onde os deputados querem colocar o poder total: naquele que muda de sexo e de nome.

Nesta alteração ficaram para trás – e são arredados pelo legislador de matéria que lhes interessa pessoalmente – os filhos e os ex-cônjuges de quem mudou de sexo e de nome. Pode não só modificar os seus próprios documentos (o que está certo), mas também os de filhos, maiores ou menores, e ex-cônjuges (o que está errado e constitui uma violência inconstitucional).

Esta lei danifica seriamente a nossa ordem jurídica. Tem de ir para estudo. Importa voltar para trás.

Notícias relacionadas

Artigos de opinião

Uma bebedeira de extremismo e de loucura

Por José Ribeiro e Castro para o Observador É muito grave a última das leis aprovadas no pacote da ideologia de género no final da legislatura, lei

Artigos de opinião

Eleições e liberdades de educação (1)

Por Mário Pinto para o Observador O Estado tem a pretensão de querer educar melhor as crianças, na escola pública, do que elas são educadas nas famílias

Artigos de opinião

Arte e Liberdade de Viver

Por Peter J. Colosi no Our Sunday Visitor

Através da legalização do suicídio assistido e da eutanásia, não só os médicos, mas também os sãos da sociedade, ainda que involuntariamente, sugerem aos doentes que devem acabar com as suas vidas. Dentro dessa sugestão tácita há um elemento coercivo que se opõe à verdadeira liberdade. A “permissão” (legal) para o suicídio assistido planta nas mentes vulneráveis a crença de que são um fardo. Logo, o “direito de morrer” começa a parecer um “dever de morrer

SUBSCREVA A NOSSA NEWSLETTER